Brasil - Rota 174 – Uma viagem “fora da caixa”´


















Existem viagens que gostava de fazer, esta é uma dessas viagens. Organizada pela agência de viagens Roraima Adventures Turismo no Brasil este programa inclui tudo o que se espera de uma viagem de aventura e muito do que não se espera encontrar no Brasil. Conheço Manaus e a selva mas a ideia de seguir ao longo da Rota 174 é bastante atrativa.

Ao logo da Rota 174 no Amazonas, são 11 dias que vão unir a cidade de Manaus (Amazonas) à cidade de Pacaraima (Roraima), ao longo de 1.100km pela BR-174, sendo que ao final da viagem os viajantes terão percorrido quase 3.000km.

De acordo com o site da agência, “a BR-174 liga o hemisfério sul ao hemisfério norte, onde segue até a Comunidade Paraitepuy, na Venezuela, de onde se avista o místico Monte Roraima: um dos lugares mais antigos da Terra. É uma viagem repleta de atrativos naturais, culturais, culinários, sem falar na exuberante biodiversidade da Amazônia, passando pela maior floresta do mundo, cruzando a Reserva Indígena Waimiri-Atroari (com boas possibilidades de ver pássaros e animais livres na Natureza). Depois de entrar nos cerrados de Roraima, tem-se a oportunidade de conhecer uma região com forte influência indígena e cabocla. A ROTA 174 pode ser realizada durante o ano todo. A região tem apenas duas estações climáticas distintas: as chuvas e a seca. A viagem tem início em Manaus, mas o roteiro pode ser modificado, conforme a disponibilidade de tempo do viajante ou, se preferir, fazer somente algumas das partes que tenha mais interesse.

A porta de entrada da ROTA 174 é Manaus, a capital da maior floresta tropical do mundo. Uma cidade com excelente rede hoteleira, um conjunto arquitetónico histórico de valor inestimável, tendo como ícone o Teatro Amazonas. Imperdível também é a visita ao Mercado Municipal, local de aromas e sabores típico da região”.
Existem muitos pontos obrigatórios para conhecer ao longo desta viagem como as casas de palafitas, o Encontro das Aguas, o local onde o Rio Negro se cruza com o Rio Solimões mas as aguas nunca se misturam, caminhando paralelamente ao longo de cerca de 9 kms, Museu do Seringal, visita à comunidade índia, e ainda a possibilidade de nadar com os botos, uma espécie de golfinhos cor-de-rosa que vivem no Rio.

E a viagem continua, sempre seguindo a BR-174, passando por Presidente Figueiredo, por florestas, rios, banhos em cachoeiras e cascatas num programa que inclui ainda caminhadas e contacto direto com a natureza. E prossegue com passeios por trilhos no meio da floresta e pinturas rupestres e camping.
Um género de viagem que não se aconselha que seja feita sem um guia especializado e que compensa porque vai ser com certeza inesquecível.  
 

 
 
 
 

Comentários