Avançar para o conteúdo principal

Tibino – um Prazer Para os 5 Sentidos

Gosto de escrever sobre as minhas experiencias gastronómicas e embora não tenha formação na matéria partilho a minha opinião enquanto cliente. Gosto de novas experiencias, aliás, uso muito do que saboreio quando viajo para misturar com a nossa tradição e dar assim origem a novos sabores. Embora adore a nossa gastronomia e tradições, acho que fruto das minhas vivencias, aprecio particularmente quando se misturam culturas à mesa.
E este fim de semana voltei ao Tibino. Este restaurante fica entrada da Foz do Arelho, uma pequena vila junto à praia, pertinho das Caldas da Rainha. Ainda parada no tempo, a Foz do Arelho anima-se nos meses de Verão e praticamente hiberna no resto do ano. Com uma praia excelente para a prática de desportos aquáticos, é para mim uma das mais belas praias de Portugal, única na sua configuração e na conjugação da sua lagoa com o vasto areal que dá cama ao Oceano Atlantico.
Apesar desta tranquilidade no Tibino nunca falta gente, o difícil muitas vezes é conseguir mesa. Voltei ao Tibino e não desiludiu. Cheio como sempre, lá conseguimos uma mesa num cantinho, na zona mais recente do restaurante.
5 sentidos, visão e tacto logo para começar, a decoração é muito bom gosto, pelo menos para mim que adoro a combinação do moderno com o passado, dos moveis antigos, bem conservados, com os tons quentes do castanho, verde e um pouco de dourado, a fazer pensar que o misto de colonial com os moveis da sala dos avós afinal combinam na perfeição.
As duas salas são acolhedoras, parece que estamos em casa, quentes, simpáticas e repletas de objetos e detalhes que ficam muito bem em qualquer casa. O terraço, muito convidativo quando está calor, respira o mesmo ambiente.
Audição, a musica, baixinha, embala-nos devagar convidando a degustar e usufruir da companhia. Um bocadinho de jazz, também um bocadinho retro e contudo tão na moda. Começa a ser possível relaxar, deixar o telemóvel na mala ou no bolso e voltar a conviver como se fazia antigamente.
E por fim a comida, olfato e paladar. A comida é uma delicia, um misto de comida portuguesa, com um bocadinho de influencia oriental o que dá uma combinação fantástica. Desta vez ficamos pela petiscaria, pedimos uns legumes e umas batatas para acompanhar, comemos ainda sopa, bebemos sangria, sobremesa e café. Eu sai do Tibino a rebolar, de cheia de prazer pela experiencia vivida.
Tudo excelente mas o bolo de noz acompanhado com um pouco de caramelo e amoras estava mesmo espetacular, recomendo mesmo aos menos gulosos.




Sugestão para o próximo fim de semana? Descubra o Oeste, se tiver duvidas eu posso ajudar e dar umas dicas, o Oeste não foi o meu berço mas é sem duvida a minha casa.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponte da Barca, onde a felicidade se veste de verde

Escolher Ponte da Barca é escolher um lugar onde o verde ocupa cada canto, um lugar onde a vida ainda corre devagar, onde as pessoas se sentam nas esplanadas enquanto se conversa animadamente e os miúdos riem alto, saltitando por entre as cadeiras. Escolher ponte da barca é escolher a natureza em estado puro, ouvir as horas a passar devagar, ao ritmo do compasso lento do sino da igreja.Escolher Ponte da Barca é estar mesmo ao pé do Geres, da Ecovia do Vez, em pleno Alto Minho, uma terra abraçada pelo Rio Lima e que ainda serve muitos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. A ponte que domina a paisagem, datada de 1450, une duas margens, une gentes e aproxima regiões.Esta é uma terra rica, onde o granito se funde com as paredes brancas e os canteiros de flores dão um toque colorido e cuidado à vila. A não perder, os Paços do Concelho, o Pelourinho, o Mercado Pombalino e a Igreja Matriz dedicada a S. João Baptista. Igualmente a não perder, a pesca da lampreia no Rio Lima, os cou…

Canyoning ou a arte de se divertir no Gerês, em plena natureza

Quem nunca experimentou canyoning não sabe o que está a perder. Recomendo que comece devagar e a Norte porque o Gerês tem um encanto natural difícil de encontrar noutro lugar, no mundo, que leve um grupo de bons amigos e que escolha a Toboga -  https://portal.toboga.pt/Canoyoning, faz lembrar canoa certo? E a tradução fácil e para mim está quase correta porque é o nosso corpo que faz de canoa por entre pedras e riachos e…. não é que é tão divertido?!Não sou masoquista, mas vou sempre preparada para sofrer. Imaginem que estão na beira de uma estrada, com uma escarpa que parece a pique até ao rio que mal se ouve lá ao fundo. O primeiro pensamento é - ainda temos de caminhar pelo alcatrão para encontrar o caminho, depois olhamos melhor, só pelo canto do olho porque a alma não ficou tranquila, e vimos um pequeno caminho de pedras e terra e um pequeno apoio lateral que parece descer a pique por ali abaixo…não, não vamos descer por ali, pois não? UI, afinal vamos! Isto depois de termos sofr…

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…