Avançar para o conteúdo principal

Adoro Londres!



Mas gosto tanto de Londres que esta semana é dedicada a esta cidade fantástica, que nunca dorme e que acolhe todos sem questionar.

Londres é  acolhedora, vibrante, multicultural e bem disposta. No final do dia, todos os dias, esteja a chover ou a fazer sol, os pubs enchem-se de gente de copo na mão que celebra a vida e a amizade. Confesso que senti ciúmes, caramba, ciúmes é demasiado fraco, senti mesmo inveja!

Que bom poder ficar com um grupo de amigos ou de colegas de trabalho, a celebrar a vida e a boa disposição. Que bom poder parar para beber uns copos antes de voltar para casa. Que bom ser simplesmente feliz, sem preocupações, sem tristezas ou agonias. Se eles têm problemas por lá? Com certeza que os têm mas conseguem ultrapassa-los  de uma outra forma. O nosso culto da tristeza, o nosso fado, consegue também ser muito aborrecido para quem o vive.

Só estive três dias em Londres, do meu lado a vantagem de conhecer bem a cidade, do outro lado a desvantagem da cidade ser enorme…e do tempo voar.

Andamos de transportes o que é muito fácil e andamos muito a pé, acreditam que fizemos cerca de 20 quilómetros por dia? A melhor forma de ver uma cidade, de a descobrir, de conhecer a sua alma e misturarmo-nos e sermos só mais uns a andar por lá. Desta forma, aos poucos, descobrimos segredos e detalhes e entendemos a alma do local que estamos a visitar.

Alugamos um apartamento em London City, ótima escolha e ótimo preço, quando voltar vou ficar por lá. As vantagens desta escolha passa pela liberdade total de movimentos e pela sensação mais forte de estarmos integrados.

Saímos de Lisboa bem cedo, num dos primeiros voos da TAP para Londres para podermos aproveitar ao máximo o tempo, demoramos um pouco mais de uma hora de metro  e largamos a bagagem no apartamento, de seguida partimos à descoberta da cidade.

London City distingue-se pelo contraste, junto a uma zona mais tradicional, de comércio de rua e bares abertos até tarde, encontramos arranha céus gigantes, brilhantes de novos, espelhados, que se erguem como monumentos poderosos aos tempos modernos.

Vale a pena descobrir o ambiente, caminhe pelas ruas e deixe-se conduzir pelas diferenças, vai adorar.  

As estações de metro de Aldgate East e whitechapel servem muito bem esta zona e ficavam muito perto do nosso apartamento.

Reservamos o primeiro dia para descobrir a zona próxima do Rio Tamisa. A pé passamos junto à estação de Tower Hill e descobrimos as esplanadas, os passeios de barco, e claro a Torre de Londres e os seus jardins, a Ponte de Londres e a Catedral de St Paul. Passamos por um casamento de revista, vimos um barco que era afinal um restaurante, descobrimos musica e um estilo de vida descontraído. Embalados pelo cansaço só paramos quando já não podíamos mais mexer as pernas. Chegamos ao fim do dia completamente esgotados mas muito animados com ambiente.

Por opção, como a viagem era muito curta não vimos museus, peças de teatro, musicais ou monumentos. O que queríamos era viver 3 dias como se fossemos residentes pelo que preferimos descobrir ao máximo a cidade.   

Este primeiro dia, que na realidade foi praticamente uma tarde e inicio de noite passou célere, como quase não tínhamos dormido, não saímos e acordamos bem cedo no dia seguinte…    










































Comentários

Mensagens populares deste blogue

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…

TAP Air Portugal – História de Uma Mala Que Nos Faz Viajar no Tempo

A Elegância Faz Parte da Nossa Nova Imagem, foi o lema da TAP, anunciado em cartazes com pompa e circunstancia, no final da década de 70, aquando do lançamento da nova imagem da companhia aérea.
Como nada acontece por acaso, se recuarmos um pouco no tempo percebemos que, nos anos 60, mais propriamente em 1962, entrou ao serviço da empresa o seu primeiro avião a jato, um Caravelle, para fazer a ligação entre Lisboa e Madrid. Os anos 60 seriam marcados por uma época de clara expansão da companhia aérea que havia de iniciar ainda ligações para Las Palmas e para Santa Maria, nos Açores. No ano seguinte a TAP começou a operar para Genebra, Munique e Frankfurt e em 1964, inaugurava as rotas do Funchal e Bissau. Em 1965, chega à TAP o seu primeiro Boeing, o 707 e um pouco mais tarde mas ainda nos anos 60, o Boeing 727.
É neste clima de franca expansão e glamour, em que estrelas de cinema, músicos, políticos internacionais e até o Papa, viajam na companhia aérea nacional, que a TAP consolida a …

Novos Pedaços da Nossa Historia no Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda

A Direção-Geral do Património Cultural adquiriu recentemente para o Palácio Nacional da Ajuda quatro peças que pertenceram ao rei D. Miguel, com destaque para a Espada de ouro do rei, uma obra de inquestionável singularidade, qualidade estética e artística e que passa a poder ser apreciado por todos. É importante conhecer alguns pormenores históricos, assim, a espada de aparato do rei D. Miguel foi oferecida pela sua irmã, a infanta D. Maria Teresa de Bragança, Princesa da Beira, em 1829. Filha primogénita de D. João VI e D. Carlota Joaquina, D. Maria Teresa partilhou com o irmão os ideais do absolutismo. Os motivos decorativos que compõem o punho em ouro cinzelado, numa clara alusão ao contexto histórico das lutas entre liberais e absolutistas, demonstram bem a forte convicção votada à causa e o desejo do seu triunfo. Esta espada fez parte do lote de peças do espólio de D. Miguel, depositado no Banco de Portugal em 1834 e posteriormente reclamado pelos seus herdeiros num processo q…