Avançar para o conteúdo principal

Novidades à volta do vinho - Ribafreixo

Mais novidades sobre vinhos. Desta vez é a Ribafreixo que apresenta nova imagem e novos produtos no mercado. Este produtor da Região do Alentejo aproveita assim o lançamento das suas novas colheitas para apresentar a sua nova imagem institucional
A Ribafreixo Wines é uma empresa produtora de vinhos da região da Vidigueira, que nasce do sonho de dois empresários, que encontraram nesta região o “terroir” ideal para os seus vinhos. Este mês apresentam as suas mais recentes colheitas, o Connections 2015 (o primeiro vinho português feito a partir da casta Chenin Blanc), Gáudio Alvarinho 2015, Pato Antão Vaz 2015, Pato Frio Grande Escolha 2014 e Barrancôa Branco 2015.
Num universo vinícola em pleno crescimento, estes vinhos vão procurar diferenciar-se, também, através do investimento estratégico nas castas portuguesas, algumas delas autóctones da região da Vidigueira, como é o caso da casta Antão Vaz.
Para quem não conhece tão bem esta marca, a Ribafreixo Wines nasce em 2007 na Vidigueira, região alentejana com grande tradição vitivinícola, pela mão de Mário Pinheiro e Nuno Bicó. Ao longo de três anos compraram 28 parcelas de terrenos baldios, que transformaram numa propriedade com uma área de 114 hectares, ligada ao sistema de regadio da barragem do Alqueva. Recuperaram algumas da vinhas pré-existentes e plantaram novas extensões, com castas portuguesas, sendo algumas autóctones da região da Vidigueira. A Herdade do Moinho Branco situa-se na rota da principal rodovia do Baixo Alentejo, a 500 metros da vila da Vidigueira, enquadrada numa paisagem de vinhas e oliveiras e delimitada pelo relevo da serra do Mendro. Em 2012 inauguraram a nova Adega, com 4 mil metros quadrados, um projecto que lhes permite produzir cerca de 700 000 garrafas por ano de uma forma sustentável e qualitativa devido à tecnologia de ponta que foi instalada para a produção dos vinhos.​

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponte da Barca, onde a felicidade se veste de verde

Escolher Ponte da Barca é escolher um lugar onde o verde ocupa cada canto, um lugar onde a vida ainda corre devagar, onde as pessoas se sentam nas esplanadas enquanto se conversa animadamente e os miúdos riem alto, saltitando por entre as cadeiras. Escolher ponte da barca é escolher a natureza em estado puro, ouvir as horas a passar devagar, ao ritmo do compasso lento do sino da igreja.Escolher Ponte da Barca é estar mesmo ao pé do Geres, da Ecovia do Vez, em pleno Alto Minho, uma terra abraçada pelo Rio Lima e que ainda serve muitos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. A ponte que domina a paisagem, datada de 1450, une duas margens, une gentes e aproxima regiões.Esta é uma terra rica, onde o granito se funde com as paredes brancas e os canteiros de flores dão um toque colorido e cuidado à vila. A não perder, os Paços do Concelho, o Pelourinho, o Mercado Pombalino e a Igreja Matriz dedicada a S. João Baptista. Igualmente a não perder, a pesca da lampreia no Rio Lima, os cou…

Canyoning ou a arte de se divertir no Gerês, em plena natureza

Quem nunca experimentou canyoning não sabe o que está a perder. Recomendo que comece devagar e a Norte porque o Gerês tem um encanto natural difícil de encontrar noutro lugar, no mundo, que leve um grupo de bons amigos e que escolha a Toboga -  https://portal.toboga.pt/Canoyoning, faz lembrar canoa certo? E a tradução fácil e para mim está quase correta porque é o nosso corpo que faz de canoa por entre pedras e riachos e…. não é que é tão divertido?!Não sou masoquista, mas vou sempre preparada para sofrer. Imaginem que estão na beira de uma estrada, com uma escarpa que parece a pique até ao rio que mal se ouve lá ao fundo. O primeiro pensamento é - ainda temos de caminhar pelo alcatrão para encontrar o caminho, depois olhamos melhor, só pelo canto do olho porque a alma não ficou tranquila, e vimos um pequeno caminho de pedras e terra e um pequeno apoio lateral que parece descer a pique por ali abaixo…não, não vamos descer por ali, pois não? UI, afinal vamos! Isto depois de termos sofr…

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…