Avançar para o conteúdo principal

O Jardim do Éden existe e fica no Oeste



Para os que são pouco crentes deixamos a dica: existem locais mágicos e alguns ficam mais perto do que aquilo que imagina. O Buddha Eden Garden, situado na Quinta dos Loridos na freguesia do Carvalhal, Bombarral é um desses locais.
 

Tudo começou em 2001 quando o Comendador José Berardo deu início à construção de um jardim oriental, integrado num espaço de 35 hectares. Este jardim mágico surgiu como resposta ao governo Talibã, que destruiu monumentos únicos do Património da Humanidade, como dos Budas Gigantes de Bamyan, localizados no centro do Afeganistão e considerados verdadeiras obras-primas do período tardio da Arte de Gandhara.


 
Este jardim, a cerca de uma hora de carro de Lisboa, está inserido no meio de campos agrícolas de vinha e árvores de fruta. O Buddha Eden Garden está integrado na Quinta dos Loridos, local onde existe um solar, nascido em terras que pertenceram ao Mosteiro de Alcobaça e que foram mais tarde doadas a João Annes Lourido em 1430. No século XVI a família Sanches de Baena decidiu reconstruir este Solar que foi mais tarde transformado em unidade hoteleira e que coabita com uma produção de vinhos.

 
Neste jardim da paz sente-se o contraste com a paisagem rural que o rodeia, no entanto, apesar de poder parecer um pouco estranho, a sensação que se vive enquanto se passeia pelo espaço é de uma profunda tranquilidade. Impressionante mesmo é que ao longo de todo o jardim estão expostas cerca de 6000 toneladas de mármore, tudo esculpido a pedido do Comendador José Berardo.



 

O maior jardim desta natureza na europa é sem dúvida tranquilo, aberto a todas as crenças e credos e ideal para um passeio em família, entre budas, pagodes, lagos, estátuas de terracota e várias esculturas cuidadosamente espalhadas por entre a vegetação.



 
Na escadaria central os Buddha dão calmamente as boas-vindas aos visitantes, depois é seguir até ao lago central e observar os peixes KOI bem como os dragões esculpidos que se erguem por ali. Nesta altura a paz já se começou a interiorizar, aproveite, respire fundo e relaxe, vai começar a sentir que está fora do nosso país, em terras distantes, rodeado de gigantes de pedra, todos eles com a missão de amenizar o seu espirito.



 
Mas sem dúvida que o momento alto da visita é quando se chega perto dos soldados de terracota. São 700 soldados todos pintados à mão, cada um deles único, estando alguns enterrados, tal como há 2.200 anos.
 
Esta é uma excelente sugestão para um passeio em família, no entanto, se for possível, deve evitar a confusão do fim de semana pois o local deve ser desfrutado em tranquilidade e com pouca gente. O Jardim a loja e o restaurante estão abertos todos os dias exceto nos dias 1 de Janeiro e 25 de Dezembro, das 09H30 às 18H30, encerrando o portão de entrada e o restaurante às 18H00.




 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponte da Barca, onde a felicidade se veste de verde

Escolher Ponte da Barca é escolher um lugar onde o verde ocupa cada canto, um lugar onde a vida ainda corre devagar, onde as pessoas se sentam nas esplanadas enquanto se conversa animadamente e os miúdos riem alto, saltitando por entre as cadeiras. Escolher ponte da barca é escolher a natureza em estado puro, ouvir as horas a passar devagar, ao ritmo do compasso lento do sino da igreja.Escolher Ponte da Barca é estar mesmo ao pé do Geres, da Ecovia do Vez, em pleno Alto Minho, uma terra abraçada pelo Rio Lima e que ainda serve muitos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. A ponte que domina a paisagem, datada de 1450, une duas margens, une gentes e aproxima regiões.Esta é uma terra rica, onde o granito se funde com as paredes brancas e os canteiros de flores dão um toque colorido e cuidado à vila. A não perder, os Paços do Concelho, o Pelourinho, o Mercado Pombalino e a Igreja Matriz dedicada a S. João Baptista. Igualmente a não perder, a pesca da lampreia no Rio Lima, os cou…

Canyoning ou a arte de se divertir no Gerês, em plena natureza

Quem nunca experimentou canyoning não sabe o que está a perder. Recomendo que comece devagar e a Norte porque o Gerês tem um encanto natural difícil de encontrar noutro lugar, no mundo, que leve um grupo de bons amigos e que escolha a Toboga -  https://portal.toboga.pt/Canoyoning, faz lembrar canoa certo? E a tradução fácil e para mim está quase correta porque é o nosso corpo que faz de canoa por entre pedras e riachos e…. não é que é tão divertido?!Não sou masoquista, mas vou sempre preparada para sofrer. Imaginem que estão na beira de uma estrada, com uma escarpa que parece a pique até ao rio que mal se ouve lá ao fundo. O primeiro pensamento é - ainda temos de caminhar pelo alcatrão para encontrar o caminho, depois olhamos melhor, só pelo canto do olho porque a alma não ficou tranquila, e vimos um pequeno caminho de pedras e terra e um pequeno apoio lateral que parece descer a pique por ali abaixo…não, não vamos descer por ali, pois não? UI, afinal vamos! Isto depois de termos sofr…

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…