Avançar para o conteúdo principal

Caldas da Rainha – porque existem terras que nos provocam borboletas no estomago



Depois da leitura da edição do mês de Agosto da revista UP, a revista de bordo da TAP, onde as Caldas da Rainha e a Foz do Arelho servem de pano de fundo a uma entrevista com o musico Frankie Chavez e de três semanas de ferias recém terminadas mas ainda a borbulhar na imaginação, esta é a altura ideal para apresentar esta terra, a cerca de uma hora de carro de Lisboa e onde se continua a viver de uma forma única.




As Caldas da Rainha têm uma forte tradição termal, que vem do tempo dos reis (e daí seu nome), e um grande reconhecimento a nível cultural, especialmente na área da cerâmica. Para além dos artistas reconhecidos internacionalmente e ficaram para sempre ligados à terra como Malhoa e Bordalo Pinheiro, as Caldas tem-se distinguido pela formação de jovens artistas que dão à cidade um cariz algo irreverente muito próprio daqui.



No entanto as Caldas não vivem só de arte, a indústria e a agricultura continuam a ser os motores da economia local. Por aqui convivem tranquilamente artistas e agricultores, músicos e empregados fabris, num caldeirão de mini culturas onde todos ficam a ganhar. A tolerância e a determinação são caraterísticas muito fortes das gentes desta região.




 
A vida por aqui é tranquila 11 meses no ano e a qualidade de vida é um dos pontos fortes da cidade, o outro é a proximidade da capital. Em agosto, com as férias do emigrantes e os turistas que invadem as proximidades tudo muda, para em finais do mês, quando acabam as festas tradicionais das terrinhas que rodeiam a cidade, tudo voltar de novo ao normal. No entanto, apesar desta calmaria, a cidade é jovem, tem estudantes de artes que vêm de fora para frequentar a faculdade e os jovens que foram estudar para fora mas que regressam assim que podem para viver e criar raízes por aqui. Esta é outra característica das Caldas da Rainha, quem conhece aprende a amar e já não passa sem cá voltar.


 

Os locais a não perder são já sobejamente conhecidos de todos: a Praça da Fruta é obrigatória pela sua diversidade, qualidade, preço e por ser ao ar livre. Numa praça recentemente arranjada, vale a pena levantar cedo num sábado ou domingo de manhã e fazer por aqui as compras da semana;


O parque da cidade, onde se pode lamentar o magnifico edifício, que já foi quartel, escola e até biblioteca e agora está ao abandono mas que podia dar origem por exemplo a um excelente hotel de apoio ao hospital termal, paredes meias com o parque e que se encontra neste momento muito aquém da sua capacidade no que diz respeito ao aproveitamento para o turismo termal;





 
Os vários museus, localizados no centro da cidade, tão próximos que se podem visitar todos a pé;


A Fabrica Bordallo Pinheiro, que tem venda ao público e onde se podem comprar verdadeiras obras de arte da cerâmica tradicional portuguesa; A fábrica de sabonetes Foz e a fábrica de velas Promol, que embora menos conhecidas são também uma referência para quem conhece bem a cidade;  


O centro da cidade, com ruas vedadas ao trânsito, onde os peões são reis e o comércio tradicional ainda se vai apresentando ao público cheio de vontade de permanecer por muitos anos;

 

A Foz do Arelho, onde a Lagoa de Óbidos se une ao mar dando origem a uma praia de vasto areal e com características únicas e depois, continuando pela costa, o pouco conhecido a quase perdido no tempo Salir do Porto e logo de seguida S. Marinho do Porto;



Os bons restaurantes e uma variada programação cultural do Centro Cultural das Caldas são outros dos seus pontos fortes;
O último, as suas gentes boas a trabalhadoras, que nunca baixam os braços, que lutam determinados pelos seus objetivos e que passam esses princípios para os filhos, como sendo a melhor herança que lhes podem deixar.   

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponte da Barca, onde a felicidade se veste de verde

Escolher Ponte da Barca é escolher um lugar onde o verde ocupa cada canto, um lugar onde a vida ainda corre devagar, onde as pessoas se sentam nas esplanadas enquanto se conversa animadamente e os miúdos riem alto, saltitando por entre as cadeiras. Escolher ponte da barca é escolher a natureza em estado puro, ouvir as horas a passar devagar, ao ritmo do compasso lento do sino da igreja.Escolher Ponte da Barca é estar mesmo ao pé do Geres, da Ecovia do Vez, em pleno Alto Minho, uma terra abraçada pelo Rio Lima e que ainda serve muitos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. A ponte que domina a paisagem, datada de 1450, une duas margens, une gentes e aproxima regiões.Esta é uma terra rica, onde o granito se funde com as paredes brancas e os canteiros de flores dão um toque colorido e cuidado à vila. A não perder, os Paços do Concelho, o Pelourinho, o Mercado Pombalino e a Igreja Matriz dedicada a S. João Baptista. Igualmente a não perder, a pesca da lampreia no Rio Lima, os cou…

Canyoning ou a arte de se divertir no Gerês, em plena natureza

Quem nunca experimentou canyoning não sabe o que está a perder. Recomendo que comece devagar e a Norte porque o Gerês tem um encanto natural difícil de encontrar noutro lugar, no mundo, que leve um grupo de bons amigos e que escolha a Toboga -  https://portal.toboga.pt/Canoyoning, faz lembrar canoa certo? E a tradução fácil e para mim está quase correta porque é o nosso corpo que faz de canoa por entre pedras e riachos e…. não é que é tão divertido?!Não sou masoquista, mas vou sempre preparada para sofrer. Imaginem que estão na beira de uma estrada, com uma escarpa que parece a pique até ao rio que mal se ouve lá ao fundo. O primeiro pensamento é - ainda temos de caminhar pelo alcatrão para encontrar o caminho, depois olhamos melhor, só pelo canto do olho porque a alma não ficou tranquila, e vimos um pequeno caminho de pedras e terra e um pequeno apoio lateral que parece descer a pique por ali abaixo…não, não vamos descer por ali, pois não? UI, afinal vamos! Isto depois de termos sofr…

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…