Avançar para o conteúdo principal

Existem livros que nos vêm parar às mãos por acaso, ou não….e como chegamos à Foz do Arelho

( foto de Tiago Fernandes)
 
 
Todos devemos viajar mas é obrigatório conhecer primeiro o nosso país. Foi essa razão que comecei a ler um livro que me deram recentemente e que estava no monte dos livros para ler. Só o escolhi porque o seu título me prendeu e chamou a atenção. Ao ler “Portugal vale a pena” deixei para trás romances históricos, livros sobre bem-estar e outras surpresas que residem temporariamente na minha mesa-de-cabeceira à espera de slot.
Comecei a ler a medo, não me apetecia livros com tendências politicas no seu subconsciente ou o exacerbar da nação num desproposito que sendo exagerado cansa…e muito.
E surpresa, aqui está um livro que vai ficar comigo para sempre. “Portugal Vale a Pena” é “somente” uma compilação de textos, escritos por figuras conhecidas da nossa sociedade para a revista UP, a revista de bordo da TAP Portugal. O livro reúne textos que retratam o nosso país de forma breve, e foi pensado para comemorar o 5º aniversário da revista de bordo da TAP, premiada em vários países como a melhor revista de bordo do mundo.
Este livro, ou os seus textos, vão servir para apresentar vários destinos em Portugal mas por hoje é o livro no seu todo que serve para apresentar a Foz do Arelho.
É o orgulho em fazer parte desta empresa que como escreve Paula Ribeiro, diretora da revista UP, é um ícone português, e felicidade em conhecer tão esta pequena localidade, junto à praia, na região Oeste, que fez parte da minha infância e me acompanha até hoje.







 
A Foz do Arelho é uma pequena vila com 9,62 km² de área e pouco mais de mil habitantes, próximo das Caldas da Rainha e a cerca de uma hora de Lisboa. Reconhecida essencialmente como destino de férias, tendência que se vem a afirmar nos últimos anos, é também conhecida pelo seu clima típico, que pode trazer manhãs surpreendentes frias, ótimas para aproveitar para conhecer um pouco melhor a região. No entanto, a Foz do Arelho é um paraíso para ferias por varias razões, porque fica perto de Lisboa, porque é uma localidade calma, tem praias viradas para o oceano Atlântico mas também para a Lagoa de Óbidos, sendo ainda um excelente local para a realização de varias atividades desportivas como windsurf, kite surf, pesca, entre outros.
A freguesia da Foz do Arelho foi criada no ano de 1919 tendo começado por ser por ser um pequeno povoado piscatório de casebres humildes. Com uma ligação muito forte à terra e à lagoa, a população habitou-se a receber algumas figuras ilustres ao longo da história, como Francisco de Almeida Grandella, benfeitor da terra e o próprio rei D. Carlos, não perdendo contudo a sua simplicidade, que a caracteriza.
Desde essa época a vila progrediu bastante, mantendo-se contudo fiel às suas características. Hoje em dia nota-se algum dinamismo no comércio, especialmente nos meses de verão, e uma procura crescente por turistas do norte da europa. Contudo a construção mantem-se controlada pois a procura acentuada só se faz sentir nos meses de Julho e Agosto. Os visitantes podem escolher entre o parque de campismo, o Inatel, ou pequenas unidades que existem na vila. Por aqui existem vários restaurantes, alguns junto à praia, uma escola de surf, uma escola de vela e algum comércio tradicional. Só isto, uma simples vila junto à praia, e contudo com uma magia especial.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponte da Barca, onde a felicidade se veste de verde

Escolher Ponte da Barca é escolher um lugar onde o verde ocupa cada canto, um lugar onde a vida ainda corre devagar, onde as pessoas se sentam nas esplanadas enquanto se conversa animadamente e os miúdos riem alto, saltitando por entre as cadeiras. Escolher ponte da barca é escolher a natureza em estado puro, ouvir as horas a passar devagar, ao ritmo do compasso lento do sino da igreja.Escolher Ponte da Barca é estar mesmo ao pé do Geres, da Ecovia do Vez, em pleno Alto Minho, uma terra abraçada pelo Rio Lima e que ainda serve muitos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. A ponte que domina a paisagem, datada de 1450, une duas margens, une gentes e aproxima regiões.Esta é uma terra rica, onde o granito se funde com as paredes brancas e os canteiros de flores dão um toque colorido e cuidado à vila. A não perder, os Paços do Concelho, o Pelourinho, o Mercado Pombalino e a Igreja Matriz dedicada a S. João Baptista. Igualmente a não perder, a pesca da lampreia no Rio Lima, os cou…

Canyoning ou a arte de se divertir no Gerês, em plena natureza

Quem nunca experimentou canyoning não sabe o que está a perder. Recomendo que comece devagar e a Norte porque o Gerês tem um encanto natural difícil de encontrar noutro lugar, no mundo, que leve um grupo de bons amigos e que escolha a Toboga -  https://portal.toboga.pt/Canoyoning, faz lembrar canoa certo? E a tradução fácil e para mim está quase correta porque é o nosso corpo que faz de canoa por entre pedras e riachos e…. não é que é tão divertido?!Não sou masoquista, mas vou sempre preparada para sofrer. Imaginem que estão na beira de uma estrada, com uma escarpa que parece a pique até ao rio que mal se ouve lá ao fundo. O primeiro pensamento é - ainda temos de caminhar pelo alcatrão para encontrar o caminho, depois olhamos melhor, só pelo canto do olho porque a alma não ficou tranquila, e vimos um pequeno caminho de pedras e terra e um pequeno apoio lateral que parece descer a pique por ali abaixo…não, não vamos descer por ali, pois não? UI, afinal vamos! Isto depois de termos sofr…

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…