Avançar para o conteúdo principal

Revista Up Magazine, Qualidade e Sonhos Num Só Projeto

Evito ao máximo separar águas, quem me conhece sabe que trabalho na TAP há 28 anos, 26 na área comercial e 2 no marketing. Tenho sempre muito cuidado porque como dizia um antigo administrador da TAP, “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”. Vivo assim em dois mundos e apesar de por vezes ser impossível, o meu objetivo é que a Teresa Leal da TAP não se mescle com a Teresa Vai de Férias. Cada vida que eu vivo é um universo único, talvez porque passa tão depressa quero ter a sensação de que consigo viver a vida de vários numa só encarnação.
Mas desta vez não resisto, as aguas vão mesmo misturar-se. Além disso não trabalho diretamente com a revista por isso vou contar-vos como me deu prazer ler a edição deste mês, de fio a pavio, e como a revista me inspirou para escrever.
Ontem quando voltava de Londres estava um bocado entediada, não tinha nada para fazer, nada para ler, nada de nada. Olhei em frente e vi a revista Up Magazine, revista de bordo da TAp e pensei porque não? Vejo a revista diariamente e nunca tenho tempo para a ler….
Agarrei nela, esfolhei-a devagar e pensei, isto é muito mais do que uma revista de bordo, é uma revista que podemos ter em casa, em cima da mesa na sala de estar…comecei com cuidado a ler o conteúdo pensando que ia ler um ou outro artigo e estava feito, enganei-me, li toda a revista e trouxe-a comigo para casa.
Despertou-me a atenção o artigo sobre a zona Oeste, caramba, é preciso ser de lá para conhecer os passadiços da Foz do Arelho, a reserva do Paul de Tornada, a ESTM, a escola onde me formei em marketing e onde regresso agora em Setembro para fazer mestrado na mesma área, e a pequena aldeia das Cruzes e o restaurante a Taberna do Manelvina. Não é só a Região Oeste que está em destaque, todo o país tem o seu espaço e de todo o lado se divulgam pequenos segredos.
Sim, fiquei logo derretida mas não foi só isto que me conquistou, o artigo que combina a vida de Paulo Bragança, talvez o cantor de fado mais surreal que existe, com a força da natureza das Aldeias de Xisto, os desfiles de moda, com criadores portuguêses e apresentada em plena natureza, também nas Aldeias de Xisto, e tanto mais, a Vida de Ana da Silva, fundadora dos Raincoats, uma portuguesa em Londres; o artigo sobre o Azeite, os segredos da presença portuguesa em Roma, artigos sobre cozinha, vinhos, hotéis em Portugal e produtos portugueses que se destacam no mundo. Imagens, textos e cor, a revista Up conquistou-me, se tiverem oportunidade vão lá dar uma vista de olhos e digam-me se não vale mesmo a pena.       

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Ponte da Barca, onde a felicidade se veste de verde

Escolher Ponte da Barca é escolher um lugar onde o verde ocupa cada canto, um lugar onde a vida ainda corre devagar, onde as pessoas se sentam nas esplanadas enquanto se conversa animadamente e os miúdos riem alto, saltitando por entre as cadeiras. Escolher ponte da barca é escolher a natureza em estado puro, ouvir as horas a passar devagar, ao ritmo do compasso lento do sino da igreja.Escolher Ponte da Barca é estar mesmo ao pé do Geres, da Ecovia do Vez, em pleno Alto Minho, uma terra abraçada pelo Rio Lima e que ainda serve muitos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. A ponte que domina a paisagem, datada de 1450, une duas margens, une gentes e aproxima regiões.Esta é uma terra rica, onde o granito se funde com as paredes brancas e os canteiros de flores dão um toque colorido e cuidado à vila. A não perder, os Paços do Concelho, o Pelourinho, o Mercado Pombalino e a Igreja Matriz dedicada a S. João Baptista. Igualmente a não perder, a pesca da lampreia no Rio Lima, os cou…

Canyoning ou a arte de se divertir no Gerês, em plena natureza

Quem nunca experimentou canyoning não sabe o que está a perder. Recomendo que comece devagar e a Norte porque o Gerês tem um encanto natural difícil de encontrar noutro lugar, no mundo, que leve um grupo de bons amigos e que escolha a Toboga -  https://portal.toboga.pt/Canoyoning, faz lembrar canoa certo? E a tradução fácil e para mim está quase correta porque é o nosso corpo que faz de canoa por entre pedras e riachos e…. não é que é tão divertido?!Não sou masoquista, mas vou sempre preparada para sofrer. Imaginem que estão na beira de uma estrada, com uma escarpa que parece a pique até ao rio que mal se ouve lá ao fundo. O primeiro pensamento é - ainda temos de caminhar pelo alcatrão para encontrar o caminho, depois olhamos melhor, só pelo canto do olho porque a alma não ficou tranquila, e vimos um pequeno caminho de pedras e terra e um pequeno apoio lateral que parece descer a pique por ali abaixo…não, não vamos descer por ali, pois não? UI, afinal vamos! Isto depois de termos sofr…

Na Vidigueira a Adega do Zé Galante é Que é

Do que mais gosto é de descobrir pequenos segredos, lugares pouco explorados, pequenos encantos, especiais porque quase ninguém os conhece. Na Vidigueira há um lugar assim, uma adega onde o vinho da talha embala os petiscos que só podemos degustar numa casa alentejana. Qual é o segredo? É que aqui estamos mesmo em casa e sentimo-nos tão confortáveis que não nos apetece sair e para quem quiser continuar a viver a experiencia de se sentir assim tão bem, existe perto um alojamento local, elaborado com o mesmo conceito, e que complementa a vivencia. O texto abaixo não é da minha autoria, foi-me enviado pelo próprio Zé Galante. O Alentejo tem muitos segredos para desvendar, acompanhem-me nesta viagem: “Foi aos 55 anos que José Galante decidiu que era tempo de dar por concluída a carreira de inspetor da Polícia Judiciária. Com a chegada da reforma passou a ter tempo para, enfim, se dedicar à "paixão" de sempre: o fabrico do vinho da talha. Em Vila de Frades - terra onde o avô já fazia…