Dunkerque o filme, Dunkerque a cidade





Com data de lançamento prevista para julho de 2017 em França, Dunkirk é um filme épico de guerra britânico escrito, produzido e dirigido por Christopher Nolan. A história desenrola-se na Segunda Guerra Mundial durante a evacuação de Dunquerque e do elenco do filme fazem parte Harry Styles, Tom Hardy entre muitas outras caras conhecidas.


A emoção dos dois meses em que a pacata Dunkerque ficou virada do avesso para servir de cenário a este filme ainda vibra na voz e nos olhos de quem nos acompanha na visita a esta cidade contruída em função do mar que a banha.
(Foto: Nicolas Hequet- Ville de Dunkerque)



(Foto: Ville de Dunkerque)

(Foto: Ville de Dunkerque)

(Foto: Ville de Dunkerque)


Mas apesar de tudo e contrariando o tempo as casas junto ao mar mantêm o seu ar solene de outros tempos e a praia, no domingo passado e apesar do frio, estava cheia de gente fazendo a sua “promenade”. 


Na areia à beira-mar, alguns, os mais corajosos, praticam Kite-surf e no ar fresco sente-se por todo o lado a vibrante maresia característica desta altura do ano.






O vasto areal de Dunkerque, 30 quilómetros de praia em linha reta até à Bélgica, ainda conserva as memórias recentes do filme que arrebatou corações. Durante um período breve de tempo a cidade abandonou as suas rotinas para se transformar no cenário gigante desta produção da Warner Bros, tendo os seus habitantes aceitado de bom grado todas estas mudanças.


As fotos que apresento e que reproduzem imagens das filmagens foram gentilmente cedidas pelo turismo de Dunkerque. As fotos que tirei durante a visita representam a cidade atual, com a sua pacatez tão característica.






Não se iludam no entanto com toda esta calmaria pois a Batalha de Dunkerque não foi a única grande aventura desta terra. Muitos anos antes, mais propriamente no seculo XVII, Jean Bart, um corsário francês que ficou célebre pelos seus sucessos durante as guerras de Luis XIV, para quem trabalhava e que o fará nobre em 1694, entra ao serviço dos franceses sendo um dos corsários de Dunquerque. Os serviços prestados valeram-lhe o reconhecimento, algo raro para um pirata e ainda uma estátua mesmo no centro da cidade.



Se junto à praia nos sentimos noutro seculo, perto do porto temos a impressão de ter mudado de país e a Holanda invade-nos o pensamento. A arquitetura muda substancialmente para uma construção de linhas direitas a fazer lembrar outras paragens. A paisagem marítima também altera. O mar está sempre presente mas os barcos tomam conta da paisagem a fazer-nos lembrar que esta terra tem sido ao longo dos anos um local importante para a realização de trocas comerciais no norte da Europa.   





 

Comentários