Venha Aproveitar o Seu Tempo Livre em Lisboa

Belém
Numa iniciativa conjunta com a Câmara Municipal de Lisboa e a Junta de Freguesia de Belém, a Chiado Books volta a criar "Um Livro Num Dia", na comemoração do Dia Mundial do Livro a 23 de Abril. Autores reconhecidos, escritores emergentes ou meros sonhadores, podem participar na edição ao vivo de “Um livro num dia”.
Neste dia, a partir das 09h00, a Chiado Books vai montar um escritório móvel no Jardim Vasco da Gama, em Belém, em pleno Pavilhão Princess Maha Chakri (Pavilhão Tailandês), onde o público pode apresentar os seus textos originais de forma a integrarem esta edição especial. Os contos devem ser entregues em formato digital (PEN), com um limite de 2.000 caracteres, até às 12h00.
Nenhum texto será admitido antes das 9h de dia 23 de Abril. Todas as etapas do processo de Edição de um livro terão lugar a 23 de Abril e à vista de todos.
Todas as fases de construção do livro podem ser acompanhadas in loco, desde a revisão à paginação e design da capa e, às 13h00, o livro segue para a gráfica. Ao final da tarde (18h30), regressa ao mesmo local, onde 1.000 exemplares da obra serão distribuídos gratuitamente ao público.
O livro ficará então disponível para compra em www.chiadobooks.com e, no dia seguinte, entrará no circuito comercial podendo ser adquirido junto das maiores lojas.
Durante a tarde, o escritório mantém-se aberto, em modo OPEN OFFICE DAY, proporcionando a todos os que passem pelo espaço a oportunidade de conhecer os meandros do trabalho editorial e conversar com os Editores:  
09h00-12h00 :: Entrega de textos originais, revisão, paginação e design de capa
13h00 :: Livro dá entrada na Gráfica
14h00-19h00 :: Open Office Day
19h00 :: Lançamento do livro e distribuição gratuita de 1.000 exemplares do livro.
 
Lisboa
A Casa Fernando Pessoa em Lisboa tem uma vasta programação para os próximos dias que vos convido a conhecer:
FORA DE CASA · DIA MUNDIAL DO LIVRO – 23 de Abril
"A minha casa no cimo deste outeiro" com Leitura de poemas de Alberto Caeiro
Segunda às 18h30
 Entrada livre
 Lotação limitada (45 pessoas)
Marcação prévia: info@casafernandopessoa.pt
No topo das Torres das Amoreiras, há um miradouro que tem uma vista panorâmica sobre toda a cidade de Lisboa. Esse é o local escolhido para no dia 23 de Abril, Dia Mundial do Livro, haver uma sessão de leitura de poesia. Os poemas escolhidos são de Alberto Caeiro, o heterónimo que Pessoa mais dedicou às sensações.
 Com Teresa Coutinho, Isabel Abreu e Diogo Dória sendo uma parceria entre o Amoreiras 360º Panoramic View e a Casa Fernando Pessoa
 
CLUBE DE LEITORES ADOLESCENTES – dia 24 de Abril
"Ah, já está tudo lido!"
Última terça do mês das 18h às 19h30
 Dos 15 aos 18 anos · Entrada Livre
 Marcação prévia/ Lotação limitada
servicoeducativo@casafernandopessoa.pt
 Este clube reúne todos os meses na Casa para explorar os textos de Pessoa - da sua poesia à sua correspondência -, procurando descobrir o que cada um lê no texto e em constante diálogo: para chegar do mundo aos livros e dos livros ao mundo.
 Com Andreia Brites (mediadora de leitura)
 
BIBLIOTECA PARTICULAR DE FERNANDO PESSOA – dia 26 de Abril
Aulas de poesia
Shakespeare por Maria Sequeira Mendes
Quinta às 18h30 · Duração 90'
 Entrada livre
 
O Museu do Dinheiro pretende dar a conhecer a muralha de D. Dinis, com mais de 700 anos, testemunha de episódios marcantes da cidade de "Lixbõa"
A muralha de D. Dinis, com 700 anos, é testemunha de episódios marcantes da ação de um rei e da história da cidade de Lisboa, ainda hoje inscritos na superfície do reboco e na sapata do extenso “muro” defensivo. Objetos, fragmentos cerâmicos, ossos e sons aludem ao imaginário medieval; são o património que queremos partilhar nesta visita pelos areais do Tejo, onde ainda se ouvem gaivotas, feiras e naus, recordando a vocação comercial e marítima de “Lixbõa”.
Visitas Regulares - Muralha de D. Dinis
Sábados, às 11h00 (45 min.)
No dia 21 de Abril, Cantar d’amigo, um recital de poesia e música que assinala os mais de 700 anos de história da Muralha de D. Dinis
A música medieval portuguesa, vista à luz dos compositores do século XX, evoca D. Dinis, as suas trovas, e outros trovadores da época.
A criação apresenta a interligação da poesia e da música, do séc. XIII com o séc. XX, urdindo poesias trovadorescas musicadas por diversos compositores eruditos portugueses nossos contemporâneos.
Sábado, 21 de abril, às 19h00 (60 min.).
Todas as atividades têm marcação obrigatória para info@museudodinheiro.pt.
 
Cuarteto Casals, Integral de Beethoven - Parte V no Grande Auditório da Gulbenkian.
 Situação recorrente na História da Música, o Quarteto para Cordas n.º 13, em Si bemol maior, op. 130, de Beethoven, passou primeiro por uma receção pouco entusiasta dos críticos, nomeadamente por causa do seu último andamento, uma longa e massiva Grande Fuga. As reações adversas e a pressão do editor convenceram Beethoven a compor um final alternativo. A Grande Fuga seria publicada separadamente apenas em 1827 com a designação op. 131. No entanto, o caráter visionário da Grande Fuga receberia, muito mais tarde, o elogio de Stravinsky que a declararia “eternamente contemporânea”.
Cuarteto Casals
Vera Martínez Violino
Abel Tomàs Violino
Jonathan Brown Viola
Arnau Tomàs Violoncelo
 
Ludwig van Beethoven
 Quarteto para Cordas n.º 3, em Ré maior, op. 18 n.º 3
 Quarteto para Cordas n.º 2, em Sol maior, op. 18 n.º 2
 Quarteto para Cordas n.º 7, em Fá maior, op. 59 n.º 1, “Razumovsky”

Mensagens populares