Vamos Aproveitar de Norte a Sul?

Almada
Fluxos, de Roberto Santandreu, fotógrafo chileno a residir em Portugal há mais de 40 anos, está patente no Convento dos Capuchos, na Caparica, até 20 de janeiro de 2018.
Composta por três dezenas de fotografias, esta exposição integra o programa do Mês da Fotografia ImaginArte Almada 2017.
Fluxos resulta, segundo Roberto Santandreu, do atrevimento que teve ao «desviar a câmara em direção ao chão» e fotografar «em diferentes países e cidades, entre as quais Almada, elementos que representam esse mundo subterrâneo».
Durante as suas viagens, o fotógrafo chileno registou com a sua máquina «uma série de tampas metálicas e, por vezes, de outros materiais que não são nada mais do que a manifestação superficial de toda uma estrutura submersa, oculta, indispensável ao quotidiano das nossas vidas. Água, saneamento básico, eletricidade, gás e comunicações.»
Castanheira de Pera
A exposição «Miniaturas de Carros de Bombeiros» que irá estar patente ao público até ao dia 26 de novembro, é uma coleção com diversas réplicas dos veículos operacionais utilizados por aqueles que têm por atividade a proteção de vidas humanas e bens em perigo, nomeadamente através da prevenção e extinção de incêndios, do socorro de feridos, doentes ou náufragos e da prestação de outros serviços.
   Esta colecção de «Miniaturas de Carros de Bombeiros» pertence a Luís Caldeira, um figueirense que desde sempre foi fascinado por veículos automóveis e que, durante trinta anos, serviu a comunidade como Bombeiro. Luís Caldeira possui uma coleção com mais de 1500 «Carrinhos» (alguns dos quais construídos pelo próprio) mas, nesta exposição irá apenas colocar em destaque as viaturas e objectos relacionadas com a actividade dos Soldados da Paz, visto que o seu intuito é prestar também uma justa e sincera homenagem aos Bombeiros que todos os dias dedicam a sua vida a ajudar o próximo.
   Os Bombeiros não salvam apenas bens, eles salvam memórias, sonhos e vidas! Por isso, e juntamente com Luís Caldeira, é com grato prazer que a Casa do Tempo abre as suas portas a este tributo aos Soldados da Paz e que deixa o convite ao público para visitar esta exposição que, a par do seu caracter lúdico-didáctico, constitui uma manifestação de respeito, admiração e gratidão pelo trabalho desenvolvido pelos Bombeiros.
   A exposição de «Miniaturas de Carros de Bombeiros» pode ser visitada de Terça a Domingo (incluindo Feriados) das 10h00 às 13h00 – 14h00 às 18h00.
 Lisboa
O Museu de Arte Popular acolhe a primeira grande exposição dedicada a M. C. Escher em Portugal, que ficará patente ao público de 24 de novembro de 2017 a 27 de maio de 2018.
Reunindo 200 obras originais deste artista gráfico holandês (1898-1972) de renome mundial, a exposição oferece igualmente ao público a possibilidade de enriquecer sensorialmente o seu contacto direto com a obra de Escher através de um grande conjunto de equipamentos didáticos, experiências científicas e muitas outras surpresas.
Com curadoria de Mark Valdhuisen – Diretor-Geral da M. C. Escher Company  – e Federico Giudiceandrea ¬ – especialista na obra de Escher  – a exposição dá conhecer os vários períodos que caraterizam a produção do artista, marcada por verdadeiras obras-primas como “Mão com Esfera mão com esfera reflexiva”, “Relatividade” (ou Casa das Escalas) e “Belvedere”.
A Arthemisia, entidade organizadora da exposição ESCHER, assegura a realização de um variado conjunto de atividades especialmente concebidas para adultos e os diversos públicos infantis e juvenis, designadamente visitas guiadas e laboratórios, ao longo de todo o período da exposição.
A apresentação da exposição ESCHER em diversos espaços do Museu de Arte Popular resulta de colaboração estabelecida com a Arthemisia, entidade que desenvolve a sua atividade de conceção e apresentação de exposições de arte a nível internacional, no âmbito do Regulamento de utilização de espaços dos Serviços Dependentes e imóveis afetos à Direção-Geral do Património Cultural.
Próxima Exposição no Museu de Arte Popular:
Paralelamente ao acolhimento da exposição ESCHER, encontra-se igualmente em fase de preparação a exposição AGRICULTURA LUSITANA, que reflete sobre as potencialidades de articulação entre o design e as produções artesanais locais em Portugal, designadamente a partir do trabalho desenvolvido em anos recentes nas Aldeias do Xisto, na região Centro do país.
Esta exposição, que ocupará os restantes espaços expositivos do Museu de Arte Popular, estará patente ao público entre 18 de janeiro e 30 de setembro de 2018, e constituirá o enquadramento de referência para a realização de um diverso conjunto de iniciativas culturais, educativas e científicas a realizar pelo museu no âmbito do ANO EUROPEU do PATRIMÓNIO CULTURAL 2018.
 Marinha Grande
A Biblioteca Municipal da Marinha Grande recebe a sessão de apresentação do livro  “Contos pouco prováveis", da autoria de Ana Cristina Luz, editado pela Textiverso, no dia 25 de novembro (sábado), pelas 15h30. A entrada é livre.
“Contos pouco prováveis” é o quinto livro de Ana Cristina Luz “que não é destinado ao público infantil e que abrange dezassete anos de escrita”. A autora salienta que, “mais do que dedicar este livro a um género da literatura, pretendi reunir alguns dos meus contos que se encontram dispersos por antologias, jornais e páginas da Internet”.
Alguns desses textos foram premiados, “outros estiveram quase a ser incluídos numa coleção que acabou a um volume de chegar a minha vez, e outros eram inéditos até à edição desta antologia”. O primeiro conto, “O Jardim”, foi o seu primeiro texto publicado em livro em 2000, no Brasil, numa coletânea organizada por Martha Argel, com o título “Lugar de mulher é na cozinha”.
Neste volume “não se encontra o primeiro texto com mais de cem palavras que escrevi, “O curso”, por já ter sido editado em “Histórias à beira mar”, mas gostaria de o referir, pois foi a minha primeira aventura literária de algum fôlego. E foi graças à paciente revisão de António de Macedo que o texto foi publicado na página da Simetria”.
 “Licores de Portugal” no Museu do Vidro
 O Museu do Vidro,  inaugurou a exposição “Licores de Portugal”, da coleção Ana Marques Pereira, no passado sábado, 18 de novembro e que fica patente até ao dia 8 de abril de 2018.
A vereadora da Cultura, Célia Faustino Guerra, considera que “o feliz convite a Ana Marques Pereira para a organização de uma exposição de peças exemplares da sua coleção de mais de seiscentas garrafas, das mais variadíssimas cores, formas e feitios, resultou numa mostra que muito valoriza a arte do vidro e o Museu do Vidro”.
Foram escolhidas as peças mais representativas, “com relevo para as figurativas, muitas delas fabricadas no nosso Concelho. Nesta exposição, identificamos garrafas produzidas nas fábricas Santos Barosa, Ricardo Gallo e IVIMA, que bem simbolizam a excelência da Marinha Grande”, acrescenta Célia Faustino Guerra.
Através desta seleção de garrafas, com formas geométricas ou figurativas, a exposição "Licores de Portugal" pretende dar a conhecer a evolução dos modelos e da decoração das garrafas de licor em Portugal, com particular enfoque nos exemplares produzidos em meados do século XX.
Esta exposição “revela-se uma tentativa de valorização deste tipo específico de garrafas, tão genuinamente portuguesas, que o desinteresse pelo vidro industrial, mais especificamente pelo vidro de embalagem, e a cada vez maior reciclagem do vidro, tendem a fazer desaparecer”, conclui.
A exposição pode ser visitada até ao dia 8 de abril de 2018, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.
Melgaço
A Casa da Cultura de Melgaço assinala, no próximo dia 30 de novembro, o Dia Mundial da Luta Contra a Sida com um espetáculo que conjuga teatro, música e dança. A iniciativa decorre pelas 21h15.
‘O propósito é suscitar reflexão acerca da arte enquanto estratégia educativa de excelência no âmbito da promoção da saúde e da prevenção da infeção por VIH e outras IST’, alerta a organização, o Centro de Atendimento Psicossocial VIH/SIDA (CAPS VIH/SIDA) do Gabinete de Atendimento Familiar (GAF).
Para além da Câmara Municipal de Melgaço, a iniciativa conta com o apoio de várias entidades do concelho, nomeadamente do Agrupamento de Escolas de Melgaço, da Unidade de Cuidados Continuados, da Melsport – Melgaço, Desporto e Lazer E.M., da Jamp School e do Sport Club Melgacense.
A entrada tem um custo de 2€ para adultos, 1€ para jovens entre os 13 e 18 anos e gratuito para menores de 13 anos. Os fundos revertem a favor do (GAF).
 
Póvoa do Lanhoso
 “Igualdade na Deficiência” é como se designa a exposição de pintura patente na Galeria do Theatro Club da Póvoa de Lanhoso até 7 de dezembro.
Esta exibição  da Associação dos Artistas Pintores com a Boca e os Pés insere-se no âmbito da VII Semana Municipal para a Igualdade, que tem o ponto alto de 19 a 25 de novembro, com momentos ligados à temática escolhida para este ano – “Educar para a Igualdade” -, tais como os workshops de braille, a marcha silenciosa contra a violência sobre as mulheres, o II Theatro Concerto Inclusivo e a abolição de uma barreira arquitetónica na Vila Povoense, de entre outras propostas, a par de um momento destinado à divulgação e formação da Carta Portuguesa da Diversidade, visto que se encontra no município Povoense o núcleo desta Carta, no Norte do país.
  
Sobral de Monte Agraço
Decorrerá no Mercado Municipal, no dia 25 de novembro das 9h00 às 14h00 a Feira de Sabores de Outono. Nesta feira, cada produtor terá disponível as suas iguarias para prova e haverá ainda uma grande diversidade de sabores de outono desde mel, chás e granolas aos chocolates, doces e bolos.
Para as crianças, um workshop de confeção de um chupa-chupa de chocolate. Aqui as crianças irão descobrir a origem do chocolate e como é que ele entrou na nossas vidas, de seguida, vão colocar as "mãos no chocolate" e confecionar o seu próprio chupa-chupa.
Inscrições para o Workshop:
Data // 25 novembro pelas 11h00
Inscrições // gratuitas e limitadas até 23 de novembro para t. 261 942 296 ou email turismo@cm-sobral.pt
Público-alvo // crianças dos 4 aos 12 anos

Mensagens populares