Sugestões com música



 


DOIS CONCERTOS ÚNICOS EM PORTUGAL ENCERRAM A DIGRESSÃO “CARMINHO CANTA TOM JOBIM” COM A PARTICIPAÇÃO ESPECIAL DE MARISA MONTE


Carminho, uma das artistas portuguesas com maior projeção internacional de sempre, acaba de revelar as datas da digressão de apresentação do disco de homenagem a Tom Jobim, “Carminho canta Tom Jobim”, que termina com dois concertos especiais em Portugal, que contarão com a participação de Marisa Monte, voz que partilhou o microfone com Carminho no disco “Carminho Canta Tom Jobim” e mais recentemente no novo álbum dos Tribalistas.


Dia 30 de novembro a fadista sobe ao palco do MEO Arena e dia 02 de dezembro é a vez de atuar no Multiusos de Guimarães.


Demorou mais de um ano a tornar possível que o platinado “Carminho canta Tom Jobim” se fizesse à estrada. Depois de conciliar as datas da artista e da Banda Nova (a formação que acompanhou Tom Jobim ao vivo nos seus últimos dez anos, composta pelo filho e neto do criador da bossa nova, Paulo e Daniel Jobim, por Jaques Morelenbaum e Paulo Braga, a digressão europeia está – finalmente! – fechada e esta série de concertos únicos e irrepetíveis termina em Portugal, com dois concertos únicos. O disco que agora chega aos palcos, começou a ser desenhado em 2016, quando a convite da própria família de Tom Jobim, Carminho aceitou mergulhar no cancioneiro do compositor. Carminho, que nasceu no meio das guitarras e das vozes do fado, é hoje uma voz aclamada, dentro e fora de Portugal, com três álbuns multiplatinados - “Fado”, “Alma” e “Canto” – que são hoje referências incontornáveis da música do mundo.


O percurso que Carminho tem feito com os seus discos e com os seus concertos dá-lhe um estatuto invejável a nível internacional. Com sucessos de vendas em Espanha, na Escandinávia ou no Brasil, com digressões de êxito pelas principais e mais prestigiadas salas da Europa e do Mundo, em países como Finlândia, Suécia, Peru, Chile, Argentina, Colombia, China, India, Letónia, EUA, Alemanha, Reino Unido, Coreia do Sul, Polónia, França, Áustria, Dinamarca, entre tantos outros, atua também no Brasil, com concertos esgotados no Rio de Janeiro, São Paulo e um pouco por todo o país.


Foi um passo natural, porque a popularidade e as boas-vindas que Carminho teve no Brasil, com a aclamação do público e da crítica e a recepção calorosa de artistas como Marisa Monte, Caetano Veloso, Chico Buarque, Maria Bethânia ou Milton Nascimento, tornava quase inevitável uma incursão pelo cancioneiro inesgotável da MPB.


"CARMINHO CANTA TOM JOBIM"




06/11 - Viena - Vienna Konzerthaus


 08/11 - Zurique - Neumünster Kirche


 09/11 - Colónia - Philarmonic Köln


 11/11- Hamburgo - Elbphilharmonie


 12/11 - Bremen - Die Glocke


 13/11 - Le Havre - Le Volcan


 15/11 - Paris - La Cigale


 17/11 - Londres - London Jazz Festival - Barbican Centre


 30/11 - Lisboa - MEO Arena *Com participação especial de Marisa Monte


 02/12 - Guimarães - Multiusos de Guimarães *Com participação especial de Marisa Monte


 





RUI VELOSO NO BELÉM ART FEST COM CONCERTO ÚNICO NO CLAUSTRO DO MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS


O cantor, compositor e guitarrista Rui Veloso é a mais recente surpresa para a 6.ª edição do Belém Art Fest, que decorre nos próximos dias 15 e 16 de setembro nos mais emblemáticos espaços de Belém. O grande nome da música portuguesa vai atuar sábado, dia 16, no magnífico Claustro do Mosteiro dos Jerónimos, num concerto que promete fundir-se na perfeição com este espaço histórico.


Rui Veloso dispensa apresentações, dono de temas de sucesso que atravessam gerações, como “Chico Fininho”, “Não há estrelas no céu”, “A paixão (segundo Nicolau da viola)”, “Jura”, “Porto Covo” e “Nunca me esqueci de ti”, o músico leva ao Belém Art Fest um espetáculo que passará em revista estes e muitos outros temas que marcam a sua carreira de sucesso que já conta com mais de três décadas.


O músico que elevou a qualidade da música em Portugal cruzou o palco com alguns dos mais galardoados nomes da música internacional, B.B.King, Gilberto Gil, Lenine, no projeto Rio Grande (com Tim, Vitorino, João Gil e Jorge Palma), entre muitos outros.


O Belém Art Fest está de volta nos dias 15 e 16 de setembro aos mais emblemáticos espaços de Belém. O Festival dos Museus à Noite oferece uma programação de luxo no património histórico português, proporcionando espetáculos e concertos únicos em espaços exclusivos durante dois dias de fusão cultural que ligam a música, a arte e o património.


A música vai percorrer os mais emblemáticos espaços de Belém, como o Claustro do Mosteiro dos Jerónimos, Museu Coleção Berardo, Museu Nacional de Arqueologia, Museu da Presidência da República, Jardins do Palácio de Belém, Museu Nacional dos Coches, Picadeiro do Museu dos Coches e ainda no Jardim da Praça do Império.


A sexta edição do Belém Art Fest conta já com algumas confirmações de luxo na sua programação. No dia 15 de setembro Tiago Bettencourt, que se prepara para lançar um novo disco de originais já no final do mês de setembro, vai apresentar nos Claustro do Mosteiro dos Jerónimos um concerto intimista, especialmente preparado para o Belém Art Fest.


O Museu Nacional de Arqueologia recebe Sean Riley & The Slowriders e King John no primeiro dia do festival e, no dia seguinte, diretamente da Suécia, e em estreia absoluta em Portugal, Meadows vai apresentar o seu mais recente trabalho “The Only Boy Awake”, que alcançou sucesso global como parte integrante da banda sonora da série “13 Reasons Why”. Neste museu está já também confirmada a presença da banda rock lisboeta Trêsporcento.
 
Os portugueses Dead Combo já consolidaram a sua carreira internacional e a sua afirmação como uma das mais interessantes e importantes bandas do novo panorama musical português, sobem ao palco nos Jardins do Palácio de Belém sábado, dia 16 de setembro. Um espaço único para ouvir a dupla portuguesa formada por Tó Trips e Pedro Gonçalves.


Os embaixadores do Funk e da Soul, Cais Sodré Funk Connection estão também já confirmados nos Jardins do Palácio de Belém onde vão recriar os ambientes dos clássicos de Motown, Stax, Chess Records e outras editoras clássicas dos anos 60 e 70, numa viagem pela história da música negra num concerto energético cheio de funk e soul music, sem deixar de lado a interação com o público e o ambiente das jam sessions.


DJ Ride apresenta-se no Museu Coleção Berardo na primeira noite do festival, onde irá fazer uma apresentação especial, desenvolvida especificamente para festival. Da programação fazem já parte também os Octa Push, Joana Alegre, Marta Hugon, Surma, Jacarés e mais a anunciar brevemente.


O Belém Art Fest dá ainda a oportunidade única de visitar as coleções dos museus em período nocturno, com visitas guiadas exclusivas.


No Jardim do Império os visitantes vão ainda poder degustar uma variada oferta gastronómica de Street Food e ainda visitar um mercado português de design e artesanato, organizado em parceria com a Mapa Eventos.


 



Scott Bradlee's Postmodern Jukebox ao vivo nos Coliseus


Scott Bradlee’s Postmodern Jukebox já têm regresso garantido a Portugal. O grupo sobe ao palco do Coliseu do Porto dia 28 de março e no dia seguinte ruma à capital para um concerto no Coliseu de Lisboa.


Scott Bradlee's Jukebox são um novo tipo de entretenimento, uma espécie de universo alternativo onde os maiores sucessos da pop atual são reinterpretados ao melhor estilo das bandas de swing.


O que começou como um convívio de artistas numa garagem, tornou-se numa grande comunidade artística que celebra a música dos anos 20 aos anos 50, com alguns dos melhores músicos e intérpretes da atualidade.


O coletivo formado em 2013 pelo pianista e compositor Scott Bradlee chamou a atenção da crítica e dos fãs graças à sua interpretação inteligente de temas pop de sucesso, alcançando milhões de visualizações no seu canal de Youtube. Hoje o canal de Youtube do coletivo conta com quase 3 milhões de subscritores e mais de 800 milhões de visualizações nos seus mais de 80 vídeos.


A banda estreou-se em Portugal em 2016 com um concerto esgotado na Aula Magna, que pôs toda a gente a cantar e dançar.


 


 


 

Mensagens populares