Desligada do mundo


Viajei até ao final do mundo e só demorei 8 horas a chegar. Entrei num avião na Portela, desembarquei em Fortaleza e rumei ao Cumbuco. Quando cheguei percebi que tinha chegado ao fim do mundo.

À pergunta: onde fica o fim do mundo? A resposta óbvia: onde não existe rede de telemóvel nem de wi-fi.

Será que isso é mau? De facto não é nada mau, é bom porque nos obriga a desligar (a maior parte das vezes já não o fazemos voluntariamente) e percebemos que o mundo continua a funcionar, tudo à nossa volta de mantêm igual e que afinal viajar e descansar pode ser mais do que um destino paradisíaco, pode ser simplesmente desligar o botão que nos liga ao mundo.

Somos obrigados a abrandar, a relaxar e a deixar tudo rolar naturalmente, e embora me sinta debilitada, como um viciado a precisar da próxima dose, o que é um facto é que ser obrigada a só contactar com o mundo real nem é mau de todo, afinal ainda há pouco tempo era assim que funcionava e eramos simplesmente felizes.

Não vou contar histórias, assim que havia um tracinho de net no telemóvel eu corria a ligar-me ao mundo, numa ansia….Para perceber que o meu mundo continuava todo lá, no mesmo sitio, pouco se lixando para eu ter ou não internet. (Outro fenómeno curioso é que todos os portugueses, ao fim de poucos dias no Brasil começam a falar meio brasileiro. Pode ser porque é mais fácil ou porque afinal todas as novelas que vimos ao longo da vida têm de ter um objetivo útil).

E de repente chegamos à dita civilização, a um local onde a internet entra de novo para dentro de nós, sem pedir licença, enchendo a nossa mente com milhares de estímulos diferentes. O telemóvel já dança de novo alegremente, dentro da mochila ao ritmo da Shakira e eu sinto que voltei emergi, de novo, para o mundo real. Fui empurrada para uma existência simples e de novo sugada para a civilização.

Já posso abandonar o ser-pé-de-chinelo que também existe em mim e voltar a ser Eu, o Eu que todos conhecem. Estou ligada ao mundo e faço parte desse mundo porque a internet reconhece a minha existência. Como qualquer viciado sinto que tive uma recaída e que voltei para a única realidade que reconheço, seja ela boa ou má.

Voltei mas acho que gostava de ter a força de ficar por lá, não tenho no entanto coragem para viver sem adrenalina, sem o vício de estar ligada a todos, construindo pontes com histórias, ajudando, com o rasto que deixo na internet a criar um novo mundo de partilha.

Voltei e tenho mais histórias para contar e novidades para partilhar e embora o ritmo ainda não seja o habitual, venho com a mente repleta de ideias, prontas a se materializarem e a deixarem a sua pegada na web. 

Comentários