Brasil - Era uma vez uns meninos que tinham um sonho



Era uma vez uns meninos que tinham a sorte de poder viajar, ir de férias para longe. Esses meninos tinham um sonho que era ir ao Brasil.

Eles eram tão pequenos que nem sabiam bem porque é que tinham aquele sonho, se era de ouvirem as histórias da mãe que já lá tinha ido muitas vezes, se era de ver as novelas na TV ou de ouvir os brasileiros que nos visitam e que têm aquele sotaque tão engraçado. Talvez fosse tudo junto mais a emoção de fazer uma grande viagem de avião, de ir para um sítio onde é verão o ano inteiro e onde se pode comer gelados até se ficar com dor de barriga.

Quando os meninos da nossa casa têm um sonho é difícil não tentar materializa-lo. Só que como os adultos sabem os sonhos nem sempre correspondem à realidade e por vezes as viagens realizadas afinal não “cabem” nos sonhos de quem escolheu aquele destino. Perante isto realizar sonhos de meninos são desafios enormes e uma grande responsabilidade.

Dentro do Brasil que destino escolher para realizar este sonho? A opção vencedora foi a mais simples disponível no mercado.
 
Era uma vez um local mágico, rodeado de imensa vegetação, com condições simples, sem luxos mas com muitos atrativos para meninos sonhadores. Neste local havia muitas famílias com muitos meninos, sapos do tamanho de gatos para correr atrás, póneis para dar uns passeios, uma praia para onde só se podia ir de pão de forma, de jipe ao estilo Indiana Jones ou a cavalo, para depois ainda se ter de apanhar um barco. Neste sitio havia pequenas casas individuais e muito simpáticas, de madeira, mas tão simples que nem tinham televisão, vacas a dar os bons dias quando se abria a porta para sair para a rua e uma piscina com brinquedos muito usados mas que faziam as delícias de todos os miúdos.

 




 
Neste sítio mágico as mesas de refeição eram enormes com bancos corridos dos dois lados, obrigando os pais de todos os meninos a serem amigos e a rirem muito durante o jantar, a combinarem passeios e aventuras juntos. E a vida era tão animada que muitos destes meninos adormeciam à mesa, por vezes mal jantando, embalados pelo som das gargalhadas dos adultos e pelo calor doce que lhes aquecia o corpo.





Por aqui não havia nada para fazer a não ser ir para a praia, conviver muito, fazer novos amigos e combinar passeios. Este lugar mágico chamava-se Amaragi, um hotel fazenda próximo de Recife e de Porto de Galinhas. Chamava-se porque mesmo que exista, os meninos já cresceram e agora os seus sonhos são outros.

A Praia dos Carneiros era outra grande aventura, o mar de água quente e com algumas ondas, fazia a delícia de todos. A outra aventura era explorar as rochas mais próximas e apanhar ouriços-do-mar com copos de plástico, coisa que os meninos nunca tinham visto em Lisboa. Quem ia para a Praia dos Carneiros ficava lá o dia todo, o almoço era servido na praia, comida típica brasileira, que os meninos e os seus novos amigos devoravam em quantidades avassaladoras. Deste programa tão simples e tão bom para fazer crianças felizes fazia parte a visita de um dia a Porto de Galinhas, almoço num restaurante à beira mar, novamente muita praia, algumas compras de artesanatos típico da região, umas tatuagens que saíram ao fim de uns dias em casa e uma visita aos peixinhos no mar, ao largo de Porto de Galinhas.





 
E depois era voltar para casa, com um sorriso de orelha a orelha, um belo bronzeado e muitas histórias para contar à família.
 

Durante muitos, muitos anos estes meninos nunca esqueceram esta viagem. Acho que esta é a magia de quem vai de férias, escolher um destino feito à sua medida e verdadeiramente inesquecível.
 
 

Comentários